jusbrasil.com.br
30 de Junho de 2022

Entenda o que é o Seguro Cyber e como ele protege de ataques cibernéticos

Blog do Jusbrasil
Publicado por Blog do Jusbrasil
há 2 anos

Até pouco tempo atrás, era impossível imaginar que a comunicação em tempo real e em qualquer lugar do mundo seria uma realidade. Mas a tecnologia não só transformou a indústria, os serviços e a forma como nos relacionamos, mas também está presente em todos os momentos de nossa vida - do conteúdo que consumimos por lazer até o nosso dia a dia no trabalho.

O problema é que, com essa evolução, aparecem também novas ameaças. Crimes digitais, ataques de hackers e até mesmo cyber terrorismo já são um problema mundial. E no Brasil, a realidade pode ser assustadora.

Crimes cibernéticos no Brasil

O número de crimes cibernéticos que crescem a cada dia, colocam o país em segundo lugar em casos de ciberataques no mundo. São mais de 65 milhões de crimes por dia, somando 24 bilhões no ano, segundo estudo Fortinet Threat Intelligence Insider Latin America.

De acordo com a fundação Kaspersky, apenas no primeiro trimestre deste ano, tentativas de golpes cibernéticos, como o sequestro de dados e liberação mediante ao pagamento de um resgate, aumentaram mais de 350%. As estratégias adotadas por hackers estão cada vez mais sofisticadas, atingindo também o mercado de criptomoedas a nível mundial.

O aumento da prática de home office, em resposta à pandemia da COVID-19, fez com que os dados de empresas e pessoas estejam ainda mais vulneráveis, acessando redes corporativas a partir de dispositivos potencialmente desprotegidos. Muitas empresas liberaram o acesso remoto à suas redes internas, o que dificulta a gestão dos departamentos de TI e expõe dados sensíveis das próprias empresas e de seus clientes, aumentando assim o risco de sofrerem ataques cibernéticos.

Em um mundo tecnológico e digital, pode-se dizer que informação é poder. E quanto mais poder, mais responsabilidades, principalmente quando lidamos com informações de outras pessoas ou empresas.

LGPD, crimes cibernéticos e o seguro Cyber

A Lei Geral de Proteção de Dados foi um marco importante no combate ao mau uso de informações por parte de empresas e outras organizações. Sancionada em setembro, ela prevê uma série de medidas a serem tomadas pelos controladores de dados para coibir e mitigar danos relacionados ao vazamentos de dados.

Uma questão importante trazida pela Lei é a necessidade de se estabelecer um programa de boas práticas e governança interna dos dados tratados pela empresa. Tal programa deve conter, dentre outras políticas, a criação de um plano de resposta a incidentes e remediação (art. 50, I, c) para garantir que, em caso de ataques ou de outros tipos de vazamento, a empresa estará apta a lidar da melhor forma possível com o evento.

Mas as ameaças cibernéticas estão presentes no dia a dia de empresas e organizações muito antes da própria LGPD e, visando se adequar à este tipo de riscos, o mercado segurador criou o seguro de Cyber. Esse seguro, também chamado de riscos digitais ou riscos cibernéticos, tem o intuito de proteger o cliente em caso de divulgação pública de dados privados que estão sob custódia da empresa, assim como da divulgação de dados corporativos de terceiros, como estratégias, orçamentos e listas de clientes.

Custos com defesa, investigação e restituição de imagem também são algumas das coberturas oferecidas, a fim de mitigar o risco de prejuízos à empresa por ataques e perda de dados do segurado e de seus clientes.

O seguro de Cyber cobrirá erros ou omissões em caso de:

· Roubo ou sequestro de informações da empresa, via sistema de computador;

· Roubo ou furto de hardware (computador, telefone, etc) da empresa por um terceiro;

· Violação da Política de Dados pessoais;

· Reclamações por publicações de conteúdo confidencial ou privado;

· Uso indevido de informações confidenciais;

· Falta de disponibilidade de sistemas;

· Destruição, modificação, corrupção e eliminação de dados armazenados em qualquer sistema de computador.

As coberturas acima descritas dizem respeito às informações que a empresa possui acerca de suas próprias atividades. Entretanto, empresas também são responsáveis pelo manuseio de dados de empresas que sejam terceirizadas e prestem serviços à própria empresa, ou a seus clientes - e seguradoras que vendem o seguro de Cyber conhecem bem essa questão.

As principais coberturas para Terceiros, são:

Custos de defesas: Honorários advocatícios e periciais, custas processuais, depósitos recursais;

Indenizações: em ações judiciais;

Violação à Política de Privacidade e de Segurança de Rede: Reclamações de danos sofridos por terceiros, em consequência de um erro, declaração enganosa, omissão ou negligência resultando em uma falha de segurança de rede; falha para manipular, gerenciar, armazenar, destruir ou controlar, dados pessoais ou informações corporativas ou uma violação involuntária da política de privacidade do segurado;

Violação de Conteúdos Eletrônicos: Reclamações de danos sofridos por terceiros, em consequência de um ato cometido pelo segurado, que cause dano à reputação, difamação ou calúnia; plágio, ou apropriação indébita de ideias; violação de direitos autorais e de marca; negligência em relação à criação ou disseminação de conteúdos eletrônicos.

Existem ainda situações em que a própria empresa encontra-se ameaçada por hackers ou problemas de rede em geral. Nesses casos, o seguro Cyber tem as seguintes coberturas:

Extorsão na Internet: Pagamento de qualquer perda por extorsão sofrida pelo Segurado exclusivamente como resultado de uma ameaça de segurança;

Multas: a quantia que o segurado for legalmente obrigado a pagar, em decorrência de um evento de responsabilidade de dados que tenha causado a violação das normas de segurança de dados.

Interrupção de Rede: Cobertura para o lucro líquido que teria sido obtido e as despesas operacionais decorrentes de uma interrupção ou suspensão dos negócios, real e mensurável, causada exclusiva e diretamente por uma falha de segurança.

Além das coberturas mencionadas, algumas seguradoras, disponibilizam ainda, assistência 24 horas, para quando a empresa estiver sofrendo com ameaças cibernéticas. Essa assistência faz toda a diferença na condução de incidentes, pois são empresas especializadas em ataques, prontas e treinadas para responder às diversas situações, mitigando perdas do cliente.

Sabemos que a cada dia surgem novas tecnologias e, com elas, novas ameaças. O mercado e a Justiça precisam se adaptar a cada uma delas, mas os primeiros passos já foram dados.

Ficou interessado em saber mais sobre o seguro Cyber ou riscos digitais? Clique aqui para falar com os especialistas da Wiz Corporate!

Informações relacionadas

Blog do Jusbrasil
Artigosano passado

Guia Prático de Tecnologia no Direito

Blog do Jusbrasil
Artigoshá 2 anos

Mídias Sociais para Advogados: O Que Fazer e o que Não Fazer

Blog do Jusbrasil
Artigoshá 2 anos

Direito Digital: tudo o que você precisa saber

Blog do Jusbrasil
Artigosano passado

Kit Completo de Transformação Digital para Escritórios de Advocacia

Blog do Jusbrasil
Artigoshá 2 anos

Acompanhamento processual: veja como é fácil ser atualizado sobre cada um dos seus processos

7 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Interessante....

www.seucriminalista.com continuar lendo

Excelente matéria!!! Fica claro o entendimento e o Cyber é uma necessidade hoje das empresas, não apenas pela LGPD. Mas pela segurança de suas informações. Parabéns Wiz pelo conteúdo continuar lendo

Que não prejudique ninguém é que continua fazendo tudo de bom para as pessoas continuar lendo

amei a materia continuar lendo