jusbrasil.com.br
30 de Junho de 2022

#JusbrasilRecomenda 5 filmes (e algumas séries) sobre Oratória

De clássicos do cinema a sucessos do streaming, veja como grandes oradores da realidade e ficção se portam dentro do universo da advocacia e fora dele.

Blog do Jusbrasil
Publicado por Blog do Jusbrasil
há 20 dias

Na lista de hoje trazemos recomendações para você aprender e se inspirar na arte da retórica. De clássicos do cinema a sucessos do streaming, veja como grandes oradores da realidade e ficção se portam no universo da advocacia e fora dele.

O artigo de hoje começa com cheirinho de pipoca no ar, único acompanhamento apropriado para o tema deste #JusbrasilRecomenda, onde vamos trazer dicas de 5 filmes (e mais algumas séries) para quem deseja melhorar a sua oratória ou se inspirar com o poder das palavras.

Sem dúvidas, uma boa oratória é habilidade cobiçada entre todas as pessoas advogadas, e em muitos casos, a fonte do amor pela advocacia. Afinal, quem nunca se encantou com uma boa argumentação, ou se viu hipnotizado pela didática de um mestre em sala de aula?

Se você faz parte deste clube, é bem possível que esteja buscando se tornar um orador ou oradora de excelência e estamos aqui para te ajudar neste processo.

Mas, o que de fato é a oratória?

Um dos significados para a palavra "oratória", pelo Oxford Languages, a define como o conjunto de regras que constituem a arte do bem dizer, a arte da eloquência; retórica, trazendo à tona o caráter artístico desta habilidade tão necessária às pessoas advogadas, o que não significa que você não pode desenvolvê-la, na verdade, muito pelo contrário.

No dia a dia da advocacia uma boa oratória começa na construção de uma argumentação sólida, com pesquisa jurídica profunda e bem embasada, mas é bem verdade que uma explanação fraca pode atrapalhar o caminho dessa mensagem até os espectadores.

>>>> Clique aqui e confira alguns outros erros que você não pode cometer ao construir uma argumentação jurídica

Tendo em vista este cenário, recomendamos fortemente que você invista tempo e esforço no desenvolvimento desta habilidade e preparamos essa lista de indicações para te ajudar a dar um primeiro passo, de uma forma leve e inspiradora.

Vamos começar nossa sessão?

#1- Obrigado por fumar (2006)

Começando a nossa lista de forma descontraída, a comédia americana "Obrigado por fumar" (2006) pode relembrar a muitos a época dos Júris-simulados, exercícios de argumentação bastante utilizados no Ensino Médio e Superior para colocar à prova a capacidade de defender posições por vezes contrárias às nossas próprias opiniões.

No enredo do filme, no entanto, Nick Taylor defende de verdade o direito de fumar, e o faz com certo brilhantismo.

Vivido por Aaron Eckhart, o protagonista da trama é o grande porta-voz deste direito legítimo, em meio a uma campanha anti-fumo crescente nos Estados Unidos.

Como representante das grandes empresas de cigarros ele se torna a face de milhões de americanos representados pelo seu discurso, e em oportunidades que vão desde programas de TV a reuniões com figuras políticas, Nick Taylor faz uso de sua habilidade na oratória (e de alguns outros truques não recomendáveis) para convencer grandes massas ou figuras estratégicas a seu favor.

A comédia foi indicada ao Globo de Ouro na categoria e é uma boa pedida para observar o poder da oratória em ação.

Se a comédia não faz muito o seu estilo de filme, atenção à próxima dica!

#2 - Jobs (2013) e Steve Jobs (2015)

A história de um dos maiores nomes da tecnologia tem muito a ver com oratória, e os dois filmes que relatam a vida de Steve Jobs retratam bem isso.

Grandes momentos da tecnologia foram protagonizados por Jobs e seus discursos, que serviram antes de mais nada para criar tendências e revolucionar toda uma indústria.

No filme de 2013, o inventor é protagonizado por Ashton Kutcher, trazendo ao papel uma extrema semelhança física com o criador da Apple, e a interpretação de momentos além da sua carreira no mundo dos computadores e dispositivos eletrônicos.

Do caminho da sua garagem até o título de empresa mais valiosa do mundo, Steve e a Apple souberam como transformar cada lançamento de um novo produto em um verdadeiro evento, nos quais o discurso do então CEO era sempre o momento mais esperado.

Na versão de 2015, com Michael Fassbender no papel de Jobs, temos a oportunidade de assistir a representações de três destes grandes momentos: o lançamento do Macintosh, da NeXT (empresa fundada no período em que esteve fora da Apple) e seu retorno com o anúncio do iMac. Lançamentos estes capazes de criar legiões de fãs, pois não apenas apresentavam produtos, mas sim vendiam ideias e ideais.

Em ambas versões o poder das palavras se destaca e aqui pode ficar um exercício interessante para você: depois de assistir aos dois filmes, quem conseguiu expressar melhor a oratória de Steve Jobs? Deixe sua opinião nos comentários.

#3 - Brockovich - Uma Mulher de Talento (2000)

Embora a protagonista deixa bem claro que não gosta de advogados, está aqui um filme que se aproxima muito do universo do Direito e que prova o poder de um discurso firme.

A mãe solteira de 3 filhos, Erin Brockovich, começa sua jornada heroica motivada apenas a prover o sustento de suas crianças, mas no meio desta cruzada, ao conquistar um emprego num escritório de advocacia, se depara com indícios de um crime socioambiental envolvendo a contaminação de água no município de Hinkley, sul da Califórnia - Estados Unidos.

O papel que rendeu o Oscar de melhor atriz a Julia Roberts, foi baseado em um caso real, onde a protagonista foi a responsável por mobilizar toda uma comunidade a mover uma ação conjunta contra a PG&E, responsável pela contaminação.

Após vencer a causa, o processo resultou num pagamento de US $333 milhões de dólares aos indenizados, tornando-se à época o maior valor já pago em uma ação direta nos EUA.

O poder de convencimento é uma das armas no arsenal de Erin, que impõe respostas firmes ao longo de toda a trama, deixando desnorteados os seus pares e superiores acostumados a uma estrutura machista.

Sem dúvidas uma boa pedida para quem deseja inspirar-se com um bom filme.

#4 - O Discurso do Rei (2010)

Não são raras as ocasiões em que as habilidades de liderança e oratória se cruzam, a história retratada em O Discurso do Rei (2010) é uma delas.

Se falar em público já pode parecer uma tarefa assustadora em condições normais de temperatura e pressão, tente adicionar a isso o clima de guerra e o peso de representar a voz de toda uma nação, essa era a tarefa de George VI no alvorecer da Segunda Guerra Mundial.

Enquanto tramas da família real se desenrolam, o príncipe estrelado por Colin Firth se vê compelido a assumir a posição mais importante de seu país e, quando já coroado rei, é atingido por um propósito de peso ainda maior, liderar a ofensiva contra o regime nazista.

Enquanto luta contra seus próprios inimigos, seus medos se personalizam na forma de um distúrbio neurobiológico que afeta a fala, “gagueira”, a qual nenhum profissional, até então, tinha sido capaz de curar.

Na iminência de seu primeiro discurso de guerra, o Rei George VI é apresentado a Lionel Logue, fonoaudiólogo que no desenrolar de uma amizade é responsável por conferir ao rei a confiança e tratamento de qual precisava para unir a nação.

Mais do que uma lição sobre oratória, o filme é uma lição sobre superação, refletindo a importância das palavras para uma liderança eficaz.

O filme levou quatro Oscars, então se eu fosse você já colocaria na lista para a sessão do fim de semana. E falando em Oscar, chegamos a última indicação da lista de hoje.

#5 - Sociedade dos Poetas Mortos (1989)

"Você deve se esforçar para encontrar sua própria voz, porque quanto mais esperar para começar, menos provável será que a encontre".

Essa é apenas uma das memoráveis frases do professor John Keating, interpretado por Robin Williams no filme Sociedade dos Poetas Mortos (1989).

O clássico que fecha nossa lista de indicações de hoje é uma das obras mais aclamadas no portfólio do ator conhecido por sua genialidade cômica e uma prova de que nem sempre a formalidade é a melhor escolha para transmitir uma mensagem.

Seus métodos de ensino nada ortodoxos, transformaram o ensino da literatura na Academia Welton, uma escola preparatória regida pelos valores da tradição, honra, disciplina e excelência.

Keating desafia estes valores ao perceber que seguidos de forma conservadora levavam a uma formação limitada dos alunos, resultando em pessoas sem senso crítico e sem liberdade para fazer as próprias escolhas.

A oratória do professor desafia o status quo, demonstrando que nem sempre os caminhos formais são a melhor escolha para transmitir uma mensagem, mas sim aquele que melhor se conecta com a audiência em questão.

Esta lição também pode ser transcrita para o contexto da advocacia, ao imaginar como podemos torná-la mais acessível àqueles para quem ela serve, pois, no fim das contas, o grande objetivo da boa oratória é inspirar!

O grande filme de 1989 encerra a nossa lista oficial, mas se você ainda continua interessado no tema, trouxemos algumas dicas bônus para quem gosta de maratonar séries. Confira a seguir!

>>>> Clique aqui e acesse gratuitamente os conteúdos jurídicos mais relevantes para 2022

Bônus: 3 séries para ver grandes oradores em ação

Esperamos que a pipoca ainda não tenha esfriado, pois preparamos um bônus na lista de hoje.

A seleção a seguir vai para aqueles que gostam de histórias mais longas, com séries que podem passar a fazer parte dos seus dias ou que você vai maratonar em um fim de semana, a escolha é sua!

#1 - The Morning Show (2019 - 2022)

Nos bastidores de um programa de TV matinal, Alex Levy (Jennifer Aniston) e Bradley Jackson (Reese Witherspoon) lidam com o peso de serem as primeiras vozes que milhões de americanos ouvem ao começar o dia.

A série vencedora de diversos prêmios Emmy em 2020, se desenrola após um escândalo de assédio sexual retirar da cadeira de âncora Mitch Kessler (Steve Carrell), antigo parceiro de Alex.

Enquanto passeia pelos dramas por trás das câmeras, a série aborda a mistura entre jornalismo e entretenimento que dá o tom do "The Morning Show" e como os apresentadores navegam por esses temas de maneira primorosa.

Numa posição que exige credibilidade e assertividade, os nervos das protagonistas são colocados à prova, mas estas se tornam mestres em controlar as emoções pelo bem da notícia. A série já tem duas temporadas lançadas e uma terceira em produção.

#2 - Scandal - Os Bastidores do Poder (2012 - 2018)

Ambientada nas instalações da Casa Branca, a série da aclamada escritora Shonda Rhimes (criadora de outros sucessos como How To Get Away With a Murder) acompanha a vida de Olivia Pope, uma consultora de gerenciamento de crises que atende a ninguém menos do que o presidente em exercício dos Estados Unidos.

A forte presença de Olivia reflete-se em cada discurso que faz à sua equipe ou mesmo a seus ilustres clientes, num exercício constante de liderança e convencimento do qual ela quase sempre sai como vencedora.

Interpretada por Kerry Washington, Pope vive a personagem inspirada em Judy Smith, ex-assessora de imprensa no Governo Bush.

#3 - Suits (2011 - 2019)

Já conhecida por muitas pessoas advogadas, a série Suits é querida por muitos profissionais da área.

As tramas relacionáveis ao dia a dia na advocacia são muitas, mas aqui ganham um certo glamour por se passarem no centro de Nova York, uma das maiores metrópoles do mundo.

As técnicas de argumentação e oratória são presença constante nos episódios da série, que retrata inúmeros momentos de negociação de grandes acordos ou mesmo de arguição perante autoridades.

Os protagonistas Harvey Specter e Mike Ross, estrelados respectivamente por Gabriel Macht e Patrick J. Adams, desenvolvem uma amizade que ultrapassa as luxuosas paredes de vidro do escritório onde trabalham, tornando a história cada vez mais passional.

A presença feminina na série também é um ponto alto e a torna ainda mais interessante, com grandes advogadas em ação não apenas nos tribunais mas também fora deles, a exemplo das personagens Jessica Pearson (Gina Torres), Samantha Wheeler (Katherine Heigl) e Rachel Zane (Meghan Markle).

Sem tempo para filmes ou séries? Confira nossas dicas de podcasts jurídicos.

Os programas em formato de áudio têm ganhado cada vez mais adeptos no Brasil, e o crescimento da oferta de opções chegou também ao nicho jurídico onde títulos que versam sobre o mundo da advocacia estão surgindo com certa frequência.

Como sabemos o quanto você valoriza conteúdo de qualidade, deixaremos por aqui também as nossas recomendações de Podcasts Jurídicos, ideais para complementar aquelas tarefas mais mecânicas do dia a dia.

>>>> Clique aqui e confira nossas recomendações de podcasts jurídicos profundos e interessantes para ouvir no caminho até o escritório

Conte com o Jusbrasil para aprofundar o seu conhecimento jurídicoInformação Jurídica está no nosso DNA. Por isso, você pode contar com o Jusbrasil para continuar te levando mais próximo de uma informação que transforma você, a justiça e o mundo.

Informações relacionadas

Rogério Tadeu Romano, Advogado
Artigoshá 20 dias

Algumas anotações sobre a fraude à execução

Rita de Cassia Pereira , Advogado
Artigoshá 21 dias

A importância do laudo de vistoria na locação de imóveis

Carolina Ludke, Advogado
Artigoshá 21 dias

Da (in)estabilidade da prova emprestada produzida em ação probatória autônoma

Blog do Jusbrasil
Artigoshá 11 meses

5 erros que você comete ao construir uma argumentação jurídica

Plano Diretor não pode criar APP se ausente os critérios da Lei

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

importante um momento de fluxo social direcionado com desempenho para estados omissos e soluções de viabilidade na superação inclusiva no monetizado continuar lendo